quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Uma poesia para encantar o natal de voces

Os Três Reis Magos





Gaspar veio das bandas do Jurani
Tinha os cabelos louros e os olhos azuis
O rosto cheio de sardas, o nariz arrebitado
Montava uma motocicleta de sonhos
Ultrapassava todos os carros
Na avenida Transamazônica
Ouvira sua mãe dizer
Que Jesus nasceria naquela noite
E que uma grande estrela pendurada no céu
Apontava para o lugar do prodígio
Gaspar montava sua motocicleta de sonhos
E voava no rumo da grande estrela

Melchior morava ao pé do morro do Leme
Tinha o moreno afogueado dos caboclos do Brasil
Cabelos lisos e corridos
Olhos ardentes, corpo desnutrido
Montava um cavalo de talo de carnaúba
E viu a grande estrela
Na direção da grande praça
Perguntou a uma mulher que passava a seu lado
E soube que nascera o Salvador
E que haveria presentes para as crianças
Aumentou o galope de seu cavalo de pau

Baltazar desceu do alto do Rosário
Negrinho como a noite
Vinha chutando uma lata sobre os lajedos
Com o pé saído dos murais de Portinari
Viu também a estrela
Que parecia pairar sobre o largo da Matriz
E quis saber o que era...
Foi Jesus que nasceu!—uma voz disse ao lado
Ele montou num carneiro que passava
E atravessou a ponte do riacho da Pouca Vergonha
E Gaspar
E Melchior
E Baltazar
Chegaram juntos na grande praça
A estrela estava sobre a torre da matriz
E as freiras distribuíam presentes aos meninos pobres
Mas já estava no fim
Cada um ganhou apenas um saquinho de bombons
E saíram pulando
Chupando os confeitos
Foram visitar os presepes

Entraram numa casa
Onde havia um muito bonito
Todo enfeitado de ramos verdes
Bolas coloridas e bichinhos de matéria plástica
Sobre a areia da mesa
No centro o Menino-Deus
Deitado sobre o bercinho de palha
Em volta, José, Maria, os pastores

E Gaspar
E Melchior
E Baltazar
Ficaram parados em redor do presepe
Admirando tanto bichinho bonito...
Gaspar roubou em elefante
Melchior roubou uma vaquinha
E Baltazar roubou o galo
Que estava empoleirado num ramo de alecrim
Saíram de mansinho
Sem que ninguém notasse
A não ser o menino-Jesus de barro
Que do berço sorriu seu mais belo sorriso

Extraído do livro “Horas sem tempo”, (1999) de José Expedito Rêgo


E que todas voces sintam o abraço de Jesus,
é bem quentinho e gostoso.

Ana mineira

8 comentários:

  1. Nossa me fez lembrar das Festas de Reis que meu Tio fazia aí em Minas e ele era festeiro...Ai que delícia a macarronada com frango para as Folias!!!Puxa que saudade!!!
    Bjs
    Zu

    ResponderExcluir
  2. oi amiga! que lindo presépio - adorei o texto - a poesia -contada de uma maneira bem especial!
    bom Natal prá ti também!
    bjs

    ResponderExcluir
  3. Lindo poema!
    que bom ver vc de novo!
    Já estava com sodade.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  4. OI Ana, linda esta poesia, resume muito bem o clima que precisamos buscar para o Natal! As pessoas se preocupam tanto em enfeitar a mesa, a casa, comprar presentes, e muitas das vezes, esquecem de deixar o próprio aniversariante entrar na festa!

    Olha, esta semana estou entrando em férias, e como não tenho internet em casa o blog entra em off também. Assim, desde já, estou lhe desejando um Natal cheio de paz e harmonia. E que o ano novo venha repleto de muita saúde e boas realizações! Beijocas

    ResponderExcluir
  5. Olha eu de novo,
    vim desejar um feliz Natal e um ano novo cheio de realizações para vc e toda sua família.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  6. Ai que abraço quentinho e gostoso...adorei!
    Receba meu abraço, e Feliz Natal!

    ResponderExcluir
  7. Oi minha querida amiga, como foi de festanças de fim de ano?

    Quero desejar a vc um 2010 especialmente brilhante, repleto de coisas maravilhosas, muita paz, saúde, amor e prosperidade e que Deus te abençoe a cada novo dia desse novo ano que se inicia!

    Beijoca bem grandona =]

    ResponderExcluir